Corre um pouquinho, acampa um pouquinho

Correr uma prova em etapas na montanha dormindo em uma barraca é, para mim, a combinação perfeita. A-D-O-R-O dormir no meio do mato.

A minha primeira experiência com esse combo foi em 2013, no Chile. Aluguei uma barraca da organização e ocupei mais da metade da minha mala de 110 litros com colchão inflável, bomba de ar, travesseiros e saco de dormir. Foram 23 kg e um excesso absurdo de tralhas que eu precisei – literalmente – arrastar por diversos acampamentos em áreas remotas. Uma tortura.

Tentei melhorar nas provas seguintes me desapegando aos poucos dos itens que passei a entender como desnecessários. O colchão inflável foi o primeiro deles.

No El Origen Aconcágua 2018 grande parte dos atletas inscritos passará pela experiência de acampar, muitos pela primeira vez. Compartilho algumas dicas que aprendi após participar de seis provas desse tipo:

Colchão: lógico que é mais confortável dormir em um colchão inflável, mas ele ocupa um espaço enorme na mala, é pesado, trabalhoso para encher e difícil de desinflar. Exige um tempo no seu cronograma organizacional de saída do acampamento que, na minha visão, não compensa o esforço. No terceiro dia de prova se você puder dormir 15 minutos a mais porque não terá que desinflar o colchão acredite: você vai preferir!

Sleeping pad: no lugar do colchão uso uma espécie de almofada para dormir (sleeping pad) auto inflável. Ela faz as vezes de um colchão e também de um isolante térmico. Infla automaticamente e pode ser desinflada em segundos. É leve, dobrável, superprática.

Saco de dormir: ao invés de substituir o meu saco de dormir que suporta até 0 grau – pois faço provas em lugares mais quentes – investi em um saco bivac para uso em temperaturas mais baixas. Combinados é certeza de uma noite de sono quentinha.

Travesseiros: levo dois pequenos, pois sem eles não consigo dormir bem. São leves, dobráveis e ocupam pouco espaço na mala. É meu “kit extravagância”.

Barraca: este ano estreei a minha barraca própria. Investi em uma leve para duas pessoas (só se forem dois pigmeus…) capaz de suportar chuva, vento e até neve. Costumo forrar a parte interna com um cobertor de emergência de alumínio para conferir um maior isolamento térmico também para barrar a sujeira.

Mala: deve ser impermeável e com compartimentos de fácil acesso. Usando uma headlamp e espremida na barraca achar qualquer coisa dentro de uma mala com milhares de bolsinhos é quase impossível.

Kits diários: organizo o interior da minha mala separando a roupa e a comida por dia de prova e armazeno tudo em sacos plásticos identificados. Assim, na noite anterior, é só retirar o kit do dia seguinte que já terei tudo pronto. É mais tempo para descansar.

Lembre-se: você terá que carregar a sua mala por longas distâncias e em terreno irregular. Por isso, só leve o que é absolutamente necessário.

IMG_7791IMG_7786

2 respostas para “Corre um pouquinho, acampa um pouquinho”

  1. Vavi1971@gmail.com disse:

    Karen!!! Adoro ler seus textos! Uma
    Leitura leve, gostosa e informativa! Nesse vc faz a gente lembrar de levar somente o essencial, gosto de pensar que somos aquilo que decidimos carregar… ser leve e desprendido é para poucos! Amei suas dicas. Devíamos fazer uma aventura e dormir na serra. O que acha?

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

Copyright © 2016 Montanha Minha Praia - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio